Take a fresh look at your lifestyle.

Remédio para candidíase em dose única para o casal

A candidíase é uma das doenças que pode atrapalhar a vida sexual de um casal, mas muitos medicamentos são eficazes no tratamento desse problema.

A candidíase é uma das doenças que pode atrapalhar a vida sexual de um casal. Afinal, homens e mulheres estão sujeitos a contrair a infecção e, em muitos casos, os sintomas se manifestam nos órgãos genitais de qualquer uma das partes. Mesmo que pareça uma situação delicada, o problema não é tão grave assim e hoje já existe remédio para candidíase em dose única para o casal, que acaba por transformar o tratamento em algo rápido e prático.

Para ficar preparado diante dessa infecção, caso um dia ela acometa você ou seu parceiro, preparamos um artigo que vai te deixar bem informada sobre a candidíase e os medicamentos que você e seu companheiro podem tomar juntos e separados para controlar o problema.

O que é candidíase?

A candidíase é uma infecção causada pelo fungo candida, principalmente o Candida albicans, mas que também pode ter como agente causador outras espécies, como a krusei ou a glabrata.

Geralmente, ela ocorre nas áreas genitais femininas, mas pode atingir outras áreas do corpo tanto da mulher quanto do homem, causando secreção, coceira e inflamação nessas regiões.

O fungo vive no corpo humano sem causar qualquer tipo de dano, mas, quando existe algum desequilíbrio, sua população tende a aumentar e a proliferação passa a ser nociva para o corpo.

Na maioria dos casos, é a baixa imunidade que favorece o aumento da população do fungo candida, principalmente na região genital, devido à umidade e temperatura da vagina. Quando esse é o caso, um tratamento é necessário e a abordagem depende do grau de infecção que a candidíase está causando.

Além de se manifestar nos órgãos genitais feminino e masculino, a doença também pode aparecer na boca (o famoso sapinho), garganta, pele e unhas, além de alguns outros lugares mais raramente.

Não é apenas a baixa resistência que facilita a multiplicação do fungo. Uma série de outros fatores pode contribuir para o surgimento da infecção. São eles:

  • Relação sexual sem proteção;
  • Gravidez;
  • Obesidade;
  • Roupas inadequadas (apertadas ou molhadas ou alguns tecidos que aumentar a temperatura da vagina);
  • Infecções (como a HIV, por exemplo);
  • Deficiência imunológica;
  • Anticoncepcionais;
  • Antibióticos;
  • Corticoides;
  • Diabetes;
  • Consumo de doces em excesso;
  • Má higienização dos órgãos genitais.
As causas da candidíase são diversas.

Sintomas da candidíase

Os sintomas de candidíase são semelhantes em mulheres e homens.

Geralmente, eles estão associados a infecção na região genital (provocando a famosa ardência na vagina), coceira, inchaço, corrimento esbranquiçado e vermelhidão na vagina e no pênis.

Nas mulheres, especificamente, ainda há escoriações na região da vulva e, em casos mais extremos, algumas úlceras.

Tipos de candidíase

Apesar de ser causada por diferentes fungos do grupo candida, o que define o tipo da doença é o local onde ela se manifestou. Por isso, ela é dividida da seguinte forma:

Candidíase vaginal

A mais comum forma de contração da doença. Afeta com mais frequência mulheres com algum desequilíbrio no sistema imunológico ou na flora vaginal.

Os microrganismos que já estão no organismo se replicam mais aceleradamente e não conseguem ser combatidos pelo sistema de defesa do corpo. Em quadros mais leves, pode ser combatido com remédio para candidíase em dose única.

Candidíase oral

A candidíase oral não escolhe idade, podendo atingir de crianças a idosos. Em pessoas na fase adulta, ela é reflexo de contato íntimo sem proteção ou da vulnerabilidade do sistema imunológico em decorrência de algum tipo de tratamento médico.

Ela se manifesta através de algumas pequenas aftas e pela dificuldade de engolir alimentos. Assim como no tipo acima, esse também aceita remédio para candidíase em dose única para solucionar o problema.

Intertrigo

O intertrigo nada mais é do que a candidíase na pele que pode acontecer mesmo sem fatores comuns. Um dos seus principais motivos é o atrito entre as peles, o que costuma acontecer nas dobras do corpo, o que causa ferimentos que são ambientes favoráveis a proliferação dos fungos.

Como elas se desenvolvem em decorrência de atritos onde há umidade e calor, os locais mais comuns de aparecer a doença são em axilas, virilha, pescoço, barriga, nádega, espaços entre os dedos das mãos e dos pés e sob as mamas.

Dependendo da gravidade, não dá para eliminar a candidíase somente com medicamentos de dose única.

Há vários tipos de candidíase e somente com a realização de exames é possível ter certeza do problema.

Candidíase no esôfago

É rara, mas a esofagite infecciosa por conta do fungo pode acontecer. Ela atinge principalmente pessoas com baixa imunidade, em especial as que portam AIDS ou estão com câncer.

Quase não atinge crianças, sendo mais comum em idosos. Ela não pode ser tratada com remédio para candidíase em dose única.

Candidíase invasiva

Ela é resultado de um sistema imunológico fragilizado e por isso pode acometer pessoas de todas as idades, podendo, inclusive, ser decorrência de uma infecção hospitalar.

Na candidíase invasiva, o fungo vai para a corrente sanguínea e então pode parar em qualquer lugar do corpo, incluindo órgãos internos, como cérebro, rim e olhos.

É preciso ter muita atenção porque esse tipo da infecção pode gerar complicações e, em casos mais graves, levar a óbito. Assim como acontece quando atinge o esôfago, esse tipo não pode ser tratado com remédio para candidíase em dose única.

Causas da candidíase

Acima, falamos brevemente sobre os motivos que favorecem a contração de candidíase. Agora, vamos observar mais detalhadamente essas causas para entender como deve ser feita a prevenção.

Gravidez

Durante a gestação, o corpo feminino passa por uma série de mudanças, que inclui, evidentemente, alterações na região genital.

Ela se torna ainda mais vascularizada, com pH ácido e com maior produção de lactobacilos, que ajudam a torna-la um ambiente favorável à multiplicação do fungo candida.

Sexo

Apesar de não ser considerada uma DST (doença sexualmente transmissível), isso porque o fungo já habita a flora vaginal naturalmente, a candidíase pode ser adquirida através de uma relação sexual sem proteção.

Antibióticos

Diversas bactérias habitam a região da vagina. Muitas delas fazem parte do sistema de defesa do organismo e ajudam no combate a bactérias nocivas e fungos.

Porém, alguns antibióticos, principalmente aqueles que agem contra diversos tipos de bactérias, podem matar as que são saudáveis e favorecer o desenvolvimento da candidíase.

Estrogênio

É comum que doenças adquiridas através de infecções com fungos estejam relacionadas com o aumento dos níveis de estrogênio nas mulheres.

Isso ocorre naturalmente durante a gravidez, mas também pode ser resultado da ingestão de pílulas de estrogênio ou de terapia hormonal.

Alimentação

A dieta é muito importante na prevenção da candidíase e excesso de doces e carboidratos é um vilão nessa batalha. Isso porque a glicose serve como alimento para candida, o que estimula o aumento da população.

O carboidrato acaba por alterar o pH da vagina, a tornando mais ácida, cenário favorável para que o fungo se desenvolva.

Cremes vaginais são extremamente eficazes no tratamento da candidíase.

Diagnóstico da candidíase

Quando os sintomas da candidíase aparecerem, mulheres e homens devem procurar, respectivamente, ginecologistas e urologistas para entender as causas e a gravidade da doença causada pela infecção. Somente através de um exame clínico é possível detectar o problema.

No consultório ginecológico, o especialista vai ouvir as queixas do paciente e realizar os procedimentos necessários para descobrir o tipo de corrimento que a paciente apresenta. Caso seja necessário, exames adicionais podem ser pedidos até que se tenha a certeza do que está acontecendo.

Através do exame Papanicolau, onde é feita uma raspagem do canal vaginal e colo do útero para análise laboratorial, é possível detectar a presença excessiva do fungo. Lembrando que a aparição do candida nos resultados dos exames não significa que o quadro seja de candidíase.

Esse procedimento é adotado em caso de candidíase vaginal. Para os demais tipos, a abordagem médica é diferente.

No caso de candidíase na pele (intertrigo), o médico pode realizar raspagem da região, exames para eliminação de infecções por fungos, como a KOH (hidróxido de potássio), a Lâmpada de Wood, ou luz negra, e, em casos mais sérios, biopsia da pele.

Provavelmente também será pedido um exame de sangue. Ele serve para detectar se o paciente é diabético, já que o intertrigo é um dos primeiros sinais da doença.

Já para quadros de candidíase invasiva, os exames de cultura não são o suficiente para entender se trata-se de uma infecção deste tipo. Por isso, é necessário que se faça exames no sangue ou em algumas amostras de tecido obtidas através de biopsias.

Remédio para candidíase feminina

Antes do remédio para candidíase em dose única para o casal, existem aqueles que são indicados somente para as mulheres.

Independentemente de qual tipo da doença for, os tratamentos mais convencionais consistem em usar pomadas antifúngicas ou então medicamentos antimicóticos na região afetada.

Os medicamentos mais comuns indicados pelos médicos são:

  • Gino-Canesten;
  • Icaden;
  • Gynopac;
  • Clocef;
  • Gynazole-1;
  • Gyno-Icaden;
  • Nitrato de Miconazol;
  • Daktarin;
  • Colpistatin;
  • Miconazol;
  • Terconazol;
  • Terbinafina;
  • Ciclopirox;
  • Econazol;
  • Canditrat;
  • Fentizol;
  • Nistatina (creme e solução);
  • Colpatrin;
  • Flogo Rosa;
  • Clindamin-C.

A automedicação jamais deve ser feita pelo paciente. Afinal, somente um profissional capacitado pode te indicar o melhor medicamento para a sua situação.

Siga sempre todas as indicações do especialista, tome/aplique somente aquilo que foi passado na receita e na dosagem e frequência corretas. As instruções da bula também devem ser levadas à risca pela pessoa que está com infecção.

A maioria dos remédios orais que existem no mercado é contraindicada para mulheres que estão grávidas. Então, o mais recomendado é que as pomadas sejam usadas. Isso faz com que no período de gestação seja comum a candidíase recorrente, uma vez que o fungo pode se tornar resistente aos medicamentos do tratamento convencional.

Nos casos de candidíase invasiva, o tratamento é realizado no hospital, uma vez que a delicadeza da situação pede medicação mais forte e com administração específica.

Os medicamentos via oral ajudam a fortalecer o sistema imunológico.

Remédio para candidíase masculina

Assim como nas mulheres, os medicamentos para os homens tratarem a candidíase consistem em pomadas ou cremes que devem ser aplicados na região da infecção por fungo, mas também existem os comprimidos que são tomados via oral – nas mulheres ainda há a possibilidade de medicação ginecológica (falaremos dela a seguir).

Sendo assim, parte dos remédios que foram citados acima também podem ser indicados para homens. Além deles, existem:

  • Fluconazol;
  • Itraconazol;
  • Clotrimazol;
  • Cetoconazol.

Seja em mulheres ou homens, as pomadas contra candidíase costumam ser usadas de uma a duas vezes ao dia por um período entre sete e 14 dias, dependendo da indicação médica.

Já os comprimidos são mais receitados em quadros mais graves da infecção, já que eles atuam de forma sistêmica, fortalecendo o sistema imunológico.

Remédio ginecológico para casal em dose única

Quando a infecção é leve, existe a possibilidade de ser indicado remédio para candidíase em dose única, que pode ser tomado pelo casal.

A maioria deles é encontrada em forma de comprimido para ser tomado via oral, principalmente de Fluconazol ou de Intraconazol. Eles são tomados apenas uma vez.

A indicação médica pode variar. Há casos em que o casal toma realmente uma única dose completa do medicamento e em outros o comprimido é fracionado para ser tomado ao longo de um único dia.

Eles não precisam de receita médica para serem adquiridos na farmácia, mas é importante que se consulte o médico antes de tomar o remédio para candidíase em dose única.

Caso o paciente não apresente melhoras nas primeiras 24 horas após a medicação, é necessário que ele busque ajuda profissional para mudar o tipo de tratamento, passando a usar uma pomada no lugar infeccionado.

Qual o valor médio desses medicamentos?

O remédio para candidíase em dose única não costuma ser caro.

O Fluconazol, o mais famoso de todos, por exemplo, custa em média R$ 10 e vem com duas cápsulas para serem tomadas. Já o Itraconazol sai por volta de R$ 20 a caixa com quatro comprimidos do medicamento.

Os remédios mais comuns

Seja o remédio para candidíase em dose única, dose fracionada creme, pomada, via oral ou intravaginal, opções no mercado não faltam.

Mesmo assim, alguns se popularizaram mais que os outros e hoje são aqueles mais comuns durante o tratamento do problema. São eles:

  • Fluconazol;
  • Gino-Canesten;
  • Gynazole-1;
  • Miconazol;
  • Cotrimazol;
  • Cetoconazol;
  • Nistatina.

Cuidados durante o tratamento

Além das soluções caseiras para controlar a coceira e ardência, existem hábitos diários que vão ajudar os medicamentos a combater a infecção gerada pelo fungo.

Vamos a eles:

  • Beber bastante água e sempre se manter hidratado;
  • Evitar bebidas alcoólicas, alimentos com excesso de açúcar e carboidrato, carne processada, proteína animal, amendoim, entre outros;
  • Evitar relação sexual no começo do tratamento e usar preservativo em todas as relações;
  • Evitar roupas com tecidos sintéticos, apertadas e molhadas;
  • Evitar fumar;
  • Seguir à risca as orientações médicas.

Leave A Reply

Your email address will not be published.