Take a fresh look at your lifestyle.

Argiloterapia Capilar: Antes e Depois – Passo a Passo

Em se tratando de produtos de beleza feminina, não há quem resista às novidades, principalmente quando o produto é para tratar dos cabelos. Para quem ainda não ouviu falar, a última novidade nos salões de beleza é a argiloterapia capilar.

É verdade que a argila não é nenhuma novidade no tratamento de beleza para a pele do rosto e do corpo, mas o que muita gente ainda não sabe é que ela também pode ser usada nos cabelos para cuidar da saúde do couro cabeludo e da beleza dos fios.

O tratamento em questão é conhecido por argiloterapia capilar, pois tem a argila como base e consiste em combater a oleosidade e estimular o crescimento dos fios, além de trazer muitos outros benefícios.

Isso porque a argila é um ingrediente natural absorvente de toxinas e impurezas, que possui propriedades cicatrizantes, anti-inflamatórias, purificantes, adstringentes, remineralizantes e antissépticas, que promovem a cicatrização e a reconstituição dos tecidos, estimulam a circulação sanguínea e linfática e possuem efeito tensor imediato.

Por isso, os tratamentos com argila já eram bastante comuns em clínicas de estética e spas para o tratamento de pele, mas agora, a argiloterapia capilar vem se tornando também um grande sucesso entre muitas mulheres.

Quer entender um pouco mais sobre argiloterapia capilar? Então, é pra já!

Antes, um pouco sobre a argila

A argila é a base da argiloterapia capilar.
A argila é a base da argiloterapia capilar.

As argilas derivam de rochas cristalinas e eruptivas. Ao ser coletada diretamente do solo, ela é o resultado da mistura de elementos como derivados do alumínio, silicatos e hidróxidos coloidais. Assim, ela é composta de partículas extremamente pequenas de silicato minimizado, ou silicato de alumínio hidratado, e uma grande quantidade de oligoelementos.

Dentre esses minerais, encontra-se o silício, magnésio, cobre, zinco, boro, enxofre, cálcio, potássio, cobalto, ferro, em diferentes concentrações, as quais determinam suas propriedades, tipo e cor. Por exemplo, a argila vermelha possui essa cor devido a grande quantidade de ferro em sua composição.

Ao contrário que muita gente pensa, os tratamentos estéticos com argilas não são nenhuma novidade, tampouco criações da atualidade. Existem registros históricos que comprovam que esses tratamentos são de origem milenar, usados por egípcios há cerca de 3000 a.C.

Atualmente, as argilas têm sido bastante aplicadas em produtos cosméticos variados. Isso porque elas promovem a liberação de elementos íons, devido a sua capacidade de reter água e fazer trocas iônicas com a pele.

Quando a argila é aplicada, estabelece-se um sistema de troca entre seus elementos e a pele, conferindo-lhe vários efeitos no organismo, entre eles a estimulação, microcirculação cutânea e regularização da queratina na pele e nos cabelos, promovendo descamação (peeling suave) e consequentemente, a renovação celular.

Além disso, desinfiltra os espaços intercelulares e regula a secreção sebácea. E mesmo não havendo troca de elementos químicos entre a argila e a pele, suas propriedades permitem estímulos dos respectivos elementos já disponíveis no corpo ativando e estimulando trocas iônicas, favorecendo o equilíbrio energético e consequentemente homeostase.

O que é argiloterapia capilar e para que serve?

A argiloterapia capilar ajuda a desintoxicar o couro cabeludo.
A argiloterapia capilar ajuda a desintoxicar o couro cabeludo.

Devido aos seus sais minerais e propriedades, a argiloterapia capilar é um tratamento para os cabelos à base de argila sulfurosa, que é muito rica em cálcio, potássio, ferro, zinco, magnésio, sílica e sódio.

Essa combinação de elementos possuem propriedades que ajudam a melhorar e manter a saúde dos cabelos e do couro cabeludo. Como por exemplo, ação cicatrizante, adstringente, esfoliante, anti-inflamatória, revigorante, renovadora, relaxante, rejuvenescedora, anti-séptica, hidratante, clareadora, entre outros benefícios.

Assim, a argiloterapia promove uma espécie de “peeling capilar”, que além de desintoxicar, tonificar e equilibrar o couro cabeludo, através da eliminação das células mortas ao retirar todas as impurezas, a argila vai nutrir e hidratar, ao repor a queratina perdida por danos e os minerais que estiverem faltando, selando os fios.

Isso vai beneficiar a papila capilar, o cabelo que fica dentro da pele antes de nascer, fazendo com que ele cresça mais forte e saudável. Além disso, a argila vai ajudar na circulação sanguínea, que também auxilia no crescimento saudável.

Sendo assim, a argiloterapia também ajuda a reduzir a oleosidade dos fios, devido a purificação e limpeza que ela promove ao remover toda a seborreia e caspa do cabelo.

Tipos de argila para o tratamento

Na argiloterapia capilar há vários tipos de argila.
Na argiloterapia capilar há vários tipos de argila.

Dependendo da quantidade de sais minerais na composição da argila, ela pode ter uma cor diferente: branca, preta, verde, cinza, amarela, rosa, roxa e vermelha. Isso também vai determinar as suas propriedades.

Portanto, existem argilas mais específicas para o tratamento de argiloterapia capilar, de acordo com cada necessidade e tipo de cabelo. Neste caso, a argila branca, rosa, verde e preta são as mais indicadas para esta finalidade. Porém, todas elas devem ser esterilizada e, se possível orgânica.

A argila branca é mais leve e suave, podendo ser utilizada em todos os tipos de cabelo; a argila rosa tem efeito hidratante, mais eficaz para cabelos secos; a argila verde mais indicada para cabelos normais que apenas precisam de tonificação, estimulação do couro cabeludo e limpeza; a argila roxa é indicada para cabelos loiros ou platinados, pois diminuem o amarelado dos fios e não mancham; a argila vermelha é indicada para os cabelos ruivos, pois age como um tonificante natura; já a argila preta é mais ácida, com mais matéria orgânica, indicada para quem possui excesso de oleosidade no couro e queda dos fios.

Veja mais detalhes sobre cada tipo de argila abaixo:

1- Argila Branca

A argila branca é rica em silício, óxido de magnésio, óxido de cálcio, potássio, cálcio, óxido de enxofre, alumínio e vários oligoelementos. O silício tem a função de estimular a produção de colágeno e elastina.

Na argiloterapia ela também tem efeito depurativo, descongestionante, tensor e revitalizante, auxiliando no aporte sanguíneo, oxigenação e nutrição da pele. Ela é considerada uma argila suave, e pode ser combinada a outros tipos de argila, para amenizar seus efeitos, provocando mais suavidade na intensidade energética.

Para quem tem fios claros ou platinados, a argila branca é a melhor opção, pois hidrata e repõe os nutrientes perdidos com a química.

2 – Argila Verde

A argila verde é rica em magnésio, manganês, silício, óxido de sódio, zinco, monóxido de potássio, óxido de alumínio, cobre e vários oligoelementos. A sua utilização é mais comum nas clínicas estéticas por ser considerada uma argila de cor neutra.

A argila verde possui efeito sedativo, calmante e relaxante, e quando aplicada ela promove uma esfoliação, eliminando toxinas e regulando a produção sebácea com efeito adstringente e desintoxicante. Além disso, melhora a circulação sanguínea, desinflama e descongestiona a circulação linfática.

Leia mais: Como Tirar a Oleosidade do Cabelo? Talco, Bicarbonato, etc

3 – Argila Preta

A argila preta tem um elevado teor de titânio, alumínio, magnésio, zinco, ferro, enxofre e silício. Ela tem textura mais pesada e gordurosa, mas possui efeito adstringente, cicatrizante, desintoxicante, descongestionante, antisséptico e anti-inflamatório. Com isso, ativa a circulação sanguínea, contribui para a renovação celular e combate a queda de cabelo provocada pela idade.

Se você tiver cabelos escuros, sejam eles pintados ou naturais, a argila preta ajuda no tratamento da caspa e forma uma capa protetora nos fios, evitando que eles quebrem com facilidade. Ela também dá uma banho de brilho para quem tem cabelos escuros.

4 – Argila Cinza

A argila cinza é rica em alumínio e silício. Assim, tem efeito efeito anti-inflamatório e cicatrizante, melhora a circulação sanguínea e linfática, as olheiras, varizes e contribui para evitar a queda de cabelo.

5 – Argila Amarela

A argila amarela é rica em silício, alumínio, cálcio, cobre, manganês, ferro, magnésio e potássio. Ela tem ação calmante e regeneradora de tecidos, atuando como remineralizante e prevenção do envelhecimento precoce.

Ela nutre, hidrata e tonifica, além de ajudar na eliminação de impurezas e proporcionar alívio a dores articulares e recuperação de lesões provocadas por pancadas ou entorses, uma vez que aumenta a circulação local, oxigenando a região e auxiliando no retorno venoso.

6 – Argila Vermelha

A argila vermelha é rica em ferro, silício, óxido de magnésio, sódio, cobre e cromo. Ela é usada no tratamento de celulite, gordura localizada, pálpebras caídas, papada e inchaços. A argila vermelha promove a cura através da sua vibração.

Além disso, a argila vermelha possui forte poder de penetração, podendo estimular a circulação sanguínea e os músculos. É indicada para lesões como pápulas, bolhas, pústulas, descamação, pois ela também estimula o efeito drenante e a oxigenação na pele.

Argiloterapia capilar para tratar

Com tantas propriedades benéficas para os cabelos, a argiloterapia capilar pode ser utilizada para tratar diversas anomalias que acometem o couro cabeludo. Como por exemplo, o excesso de oleosidade, caspa e seborréia, alopecia, entre outros.

Isso porque já vimos que a argila é capaz de promover uma limpeza profunda removendo as células mortas e impurezas, descongestionando o local da aplicação. A sua utilização no combate a essas afecções é excelente, pois como dissemos a argila possui propriedades bactericidas, regeneradoras, anti-inflamatórias e antissépticas.

A argila verde, por exemplo, é a mais indicada para esses tratamentos, pois ela possui essa ação adstringente, cicatrizante e oxigenante. Com a associação de outros métodos terapêuticos a argiloterapia pode produzir um efeito ainda mais eficaz no tratamento, com o que chamamos de técnicas combinadas.

Argila para alopecia

A argiloterapia pode ser associada a prática da aromaterapia para se obter melhores resultados para o cabelo. A aromaterapia, por exemplo, é a prática terapêutica que utiliza óleos essenciais 100% puros para a prevenção ou tratamento natural de problemas emocionais e físicos, a fim de proporcionar bem estar ao paciente.

Como os óleos essenciais são componentes muito ativos, eles não devem ser utilizados puros, mas sempre diluídos. Muitos óleos essenciais têm ações antissépticas, cicatrizante, anti-infecciosa e estimulante do couro cabeludo.

Sua ação se dá através do sistema circulatório, pois possuem moléculas pequenas que penetram na pele. Dependendo da escolha que você faz do óleo essencial, você pode tratar o couro cabeludo de uma determinada forma.

Alguns ajudam a desintoxicar e depurar, outros auxiliam a equilibrar e refrescar o couro cabeludo, e melhorar a circulação. A argila vai servir como um condutor para esses óleos essenciais.

Tratamentos como esses podem ajudar a tratar as alopecias mais comuns, como os eflúvios telógeno, um tipo de queda capilar que costuma estar associada a situações do dia a dia. Para aplicar, basta diluir os óleos no shampoo e misturar a argila em seguida.

Depois, aplicar nos cabelos úmidos, massageando o couro cabeludo por aproximadamente 10 minutos. Por fim, enxágue e aplique uma quantidade de 10ml de máscara capilar hidratante com 10 gotas de óleo essencial de lavanda.

Detox capilar com argila

A argiloterapia capilar desintoxica o couro cabeludo, diminui a oleosidade e esfolia o couro cabeludo, removendo as impurezas. Pessoas que costumam usar muitos cremes, leave-ins, silicones e outros produtos podem utilizar a argiloterapia como detox capilar.

Uma opção é usar a cada 15 dias a argila no shampoo, para limpar e eliminar todos esses resíduos que vão se acumulando no couro cabeludo. Outra opção é fazer uma esfoliação no couro cabeludo com leves massagens durante uns dois minutos, em seguida enxaguar e usar seu shampoo e condicionador habitual.

Argila para cabelo crescer

Como a argiloterapia capilar funciona essencialmente para a desintoxicação do couro cabeludo, ela também vai estimular a corrente sanguínea no local e estabilizar o PH. Tudo isso vai estimular também os folículos capilar e ajudar no crescimento saudável dos fios.

Argila para combater a caspa

O vinagre de maçã é um aditivo muito comum associado aos tratamentos com argila. Para combater a caspa e seborreia ou para aumentar o brilho, ele pode ser misturado à argila na argiloterapia, pois também ajuda a diminuir o pH da argila.

Para o tratamento, misture 3 colheres (sopa) de argila em pó (verde ou preta) com uma tampinha de bepantol líquido (solução) e meio copo d’água. Aplique a mistura apenas na raiz, com muito cuidado. Depois, deixe agindo por 15 minutos. Se secar antes disso, vá molhando e massageando o couro cabeludo. Por fim, enxágue com shampoo e hidrate-o.

Argiloterapia capilar contra indicações

A argiloterapia capilar possui algumas contra indicações.
A argiloterapia capilar possui algumas contra indicações.

Apesar da argiloterapia capilar ser altamente poderosa e benéfica, a aplicação do tratamento não é tão simples quanto se imagina. Sendo assim, o ideal é que o tratamento seja feito com cuidado, de preferência com um profissional especializado, e considerando algumas etapas muito importantes:

  • A argila não deve ser passada em todo o comprimento do cabelo, apenas no couro cabeludo, para evitar quebras.
  • Não esfregue a argila nos fios para evitar a causar um atrito forte, e danificá-los.
  • Apesar de todos os benefícios, a argiloterapia capilar deve ser aplicada apenas 1 vez por mês, pois a argila resseca bastante o cabelo.
  • Recomenda-se sempre uma hidratação profunda após a argiloterapia capilar. Se possível, siga um cronograma capilar completo com hidratação, nutrição e reconstrução.

Passo a passo para fazer argiloterapia capilar

A argiloterapia deve ser feita com um profissional.
A argiloterapia deve ser feita com um profissional.
  • Passo 1: Prepare o couro cabeludo para receber a argila, lavando o cabelo com um sabonete neutro e um óleo essencial, para ajudar a limpar, oxigenar e refrescar o couro cabeludo.
  • Passo 2: Misture 3 colheres de argila num recipiente de vidro, cerâmica ou plástico (nunca em recipiente de metal), e vá acrescentando água (filtrada, fervida ou desmineralizada) aos poucos até formar uma pasta de consistência leve. Nem muito líquida, nem muito grossa, para não dificultar a aplicação.
  • Passo 3: Com os cabelos úmidos, espalhe a pasta de argila sobre todo o couro cabeludo com um pincel, e depois massageie levemente o couro com a ponta dos dedos em movimentos circulares durante alguns minutos.
  • Passo 4: Deixe agir por 20 minutos, depois enxágue abundantemente com água morna.

Qual a frequência da argiloterapia?

O tratamento com argiloterapia capilar deve ser repetido algumas vezes para que ele seja eficaz e traga resultados. Há casos em que são necessárias cerca de dez sessões, mas tudo vai depender do estado e do problema dos cabelos.

No início, é comum que os cabelos fiquem mais ressecados. Não se preocupe, pois isso é natural e faz parte da ação da argila para equilibrar as fibras capilares. No entanto, com a evolução das sessões, os cabelos vão ganhando vida, beleza e brilho.

Há também alguns produtos cosméticos que utilizam argila em suas fórmulas de shampoo, para que o tratamento com argiloterapia capilar possa ser mais constante.

E aí, gostou de descobrir os efeitos da argiloterapia capilar? Experimente! E volte para nos contar os resultados.

Leave A Reply

Your email address will not be published.