Take a fresh look at your lifestyle.

8 Meses de Gestação: Veja o que acontece na Gravidez!

Saiba tudo o que acontece quando se chega a 8 meses de gestação, tanto com a mãe quanto com o bebê.

A reta final da gravidez traz para a vida da mulher um misto de sensações. De um lado, existe a expectativa pela chegada do bebê e a ansiedade de saber logo como será a sua nova vida depois do parto. Por outro, a mãe passa a sentir cada vez mais os contras de carregar um filho em seu ventre, principalmente quando se chega a 8 meses de gestação, período em que os incômodos se tornam ainda maiores.

Tudo isso em meio à organização do parto (em qual hospital será realizado, como será feito) e dos gastos adicionais que precisam ser feitos (compra de roupas, berço, fraldas e, às vezes, uma reforma ou outra no apartamento para poder acomodar o mais novo morador). Só de pensar, a situação já parece complicada, mas é para descomplicar que desenvolvemos o post a seguir.

Nele, vamos explicar tudo o que acontece quando se chega a 8 meses de gestação, tanto com a mãe quanto com o bebê, e algumas dicas que podem te ajudar a passar pelos últimos dois meses de gravidez com mais tranquilidade e conforto. Confira!

O que acontece com o bebê?

Os 8 meses de gestação são compreendidos entre a 31ª e a 35ª semana de gravidez. Quando esse período se inicia, o bebê já tem, em média, 1,5 kg, metade do peso que terá após o parto. Em mais alguns dias, este peso costuma subir para 2,0 kg e o neném atinge 42 cm, geralmente. Este crescimento faz com que o bebê fique com pouco espaço para se movimentar dentro da barriga da mãe.

Ainda antes da 32ª semana, uma camada de gordura é formada na pele do bebê, o que possibilita que ele aguente a temperatura ambiente depois de seu nascimento.

Quando se entra na segunda semana do oitavo mês de gestação, os cabelos, unhas e pele terminam o desenvolvimento e ficam exatamente da forma como virão ao mundo.

Os cabelos, unhas e peles do bebê se desenvolvem completamente aos 8 meses de gestação.

Aliás, após 8 meses de gestação, quase todas as estruturas do bebê estão prontas. Os membros terminam de se alongar, os ossos do corpo se solidificam, exceção ao crânio que só vai enrijecer depois de um ano – ele fica mais maleável para facilitar sua passagem pelo canal vaginal da mãe –, e os sistemas internos estão completos ou quase completos, como é o caso do sistema respiratório, o último a se desenvolver completamente.

Na 34ª semana, o bebê atinge os 2,3 kg e 45 centímetros, tamanho bem próximo do máximo que alcançará antes do parto. É neste momento que ele começa a se preparar para sair, se movimentando para que fique de cabeça para baixo. Agora, dia após dia ele vai descer um pouquinho, se encaixando na região pélvica.

Quando ele chega à última semana do oitavo mês de gestação, já não tem mais nada para desenvolver e ele já pode nascer sem muitos riscos de precisar de auxílio para sobreviver depois do parto. Mesmo assim, ficará mais alguns dias na barriga da mãe se fortalecendo, para que nasça com a certeza de que está preparado para encarar o mundo.

Lembra o que falamos do crânio? Então, ele ainda demora a terminar seu desenvolvimento e está mais espaçado do que o normal.

Isso porque o cérebro ainda está crescendo, processo que se mantém mesmo depois do parto. Como o córtex cerebral é uma das áreas do cérebro que ainda estão neste processo, o bebê se torna sensível à dor.

Ele também desenvolve a sensibilidade gustativa, aprendendo a sentir gostos e se acostumando com o sabor do leite materno, que servirá de alimento durante os seus primeiros meses de vida.

Por falar em alimentação, nos 8 meses de gestação o bebê passa a ingerir muito líquido amniótico que, entre suas muitas funções, serve como fonte de nutrientes e anticorpos para o feto.

O que acontece com a mãe?

Se no oitavo mês de gestação o bebê ganha bastante peso e aumenta de tamanho consideravelmente, é fácil imaginar que para a mãe isso significa engordar. Por isso, não se assuste se, ao subir na balança, você notar uma diferença razoável. Porém, fique atenta a quantos quilos estão sendo ganhos – o médico saberá avaliar se está dentro do padrão ou não.

Outra coisa que deixa muitas mamães de primeira viagem assustadas, mas que não deve ser motivo de preocupação, é o colostro. Este líquido, que é uma versão inicial do leite materno, costuma vazar um pouco pelo peito quando se atinge os 8 meses de gestação.

Se você está naquele grupo de mulheres que não está passando por isso, saiba que também não tem problema, pois quando o seu bebê nascer ele conseguirá se amamentar tranquilamente.

É normal se um pouco de colostro vazar nesse período.

Neste momento, as contrações de Braxton Hicks tendem a deixar a mulher apreensiva. Afinal, quando saber se as contrações são falsas ou indicam que o trabalho de parto se iniciou?

Bom, há uma grande diferença entre elas e a maioria das mulheres consegue distinguir bem. Enquanto a primeira é indolor e acontece de forma irregular, a segunda é muito mais intensa e dolorosa.

Quando se atinge os 8 meses de gestação, é comum que a azia seja um problema que já te acompanha por algum tempo. No entanto, ela tende a piorar com o passar do tempo.

Isso porque quanto mais o bebê cresce, mais o estômago é comprimido e deslocado para cima. Aliado ao relaxamento do esfíncter esofágico, o resultado é o refluxo do bolo estomacal, o que causa essa sensação de queimação na garganta e no esôfago.

Durante a gravidez, há muita produção de estrogênio e progesterona. Estes dois hormônios fazem com que haja o relaxamento dos músculos lisos, incluindo os que compõem o sistema gastrointestinal.

Por conta disso, o processo de digestão é desacelerado, tornando corriqueiro que mulheres sintam a barriga inchada e desconforto logo após de comer. Além disso, é bem comum que se tenha má digestão, principalmente após uma refeição caprichada.

O crescimento do bebê também afeta outros órgãos. Um deles é o pulmão, que passa pelo mesmo problema de perda de espaço que o estômago. Quando eles e o diafragma são comprimidos, a caixa torácica tem menos capacidade de expansão e pode gerar na mulher a sensação de falta de ar.

Se isso não tiver aliado a outros sintomas, não há com o que se preocupar. Porém, é bom ficar atenta aos sinais que o organismo envia porque pode estar acontecendo algo mais sério.

Quem também sofre com o crescimento do útero é a bexiga. Após ser comprimida, ela perde um pouco a capacidade que tem de armazenar a urina, o que pode desenvolver na mãe um problema incômodo conhecido como incontinência urinária.

E não é só isso que faz com que as idas ao banheiro sejam mais frequentes.

O peso do bebê também é responsável, uma vez que isso pressiona os músculos da pélvis, exigindo mais deles. O “cansaço” faz com que eles relaxem involuntariamente, o que inclui o esfíncter urinário, responsável por controlar a saída da urina. O estrogênio e a progesterona ajudam neste relaxamento.

Dormir após 8 meses de gestação é complicado. O bebê já está muito grande para o corpo da mãe e faz com que fique mais difícil de encontrar uma posição confortável. Esse incômodo também deve se estender por todas as horas do dia, dando à mulher a sensação de que ela está sempre desajeitada.

Ao longo do dia, constantemente haverá fadiga, resultado do peso do bebê com a diminuição da capacidade de expansão da caixa torácica. Carregá-lo se tornou um esforço muito maior para o organismo, que agora gasta mais energia para mover a musculatura do corpo.

Se você começar a sentir coceiras e irritação na pele, não se assuste. Este sintoma é comum e pode acontecer durante toda a gestação, mas costuma se desenvolver ou intensificar nos últimos dois meses de gravidez. Ela atinge principalmente os seios e a barriga, mas pode ocorrer em qualquer parte do corpo.

Isso acontece porque o aumento das quantidades de hormônios no corpo deixa a pele mais sensível que o natural. Mais uma vez, atente-se aos demais sinais que o organismo envia, pois existem algumas doenças que têm como primeiro sintoma a coceira, são graves e podem afetar o bebê, como a zika.

Diante de qualquer sintoma estranho, procure um médico.

Como aliviar os desconfortos do oitavo mês de gravidez?

Como você viu, depois de 8 meses de gestação é comum que alguns problemas se desenvolvam e outros que já existiam fiquem piores. Para passar pela reta final da gravidez com mais tranquilidade, há uma série de hábitos diários que podem te ajudar.

Para diminuir a azia, evite se deitar logo após as refeições, ainda que seja uma ideia tentadora. Mesmo quando for deitar na cama, use mais de um travesseiro, deixando a cabeça mais alta que o resto do corpo. Isso vai ajudar a impedir que o ácido suba pelo esôfago.

Outra alternativa é fazer refeições em menores quantidades. Como o estômago está compactado, enchê-lo de comida facilita a subida do ácido, pois não há espaço no seu “habitat natural”.

Comer mais vezes em porções menores também é importante para acabar com a sensação de má digestão, uma vez que você exige menos do estômago quando come pouco.

Para acabar com o inchaço que acontece durante a toda a gravidez, mas que se intensifica a partir do oitavo mês por conta de maior retenção de líquidos, a mãe deve praticar exercícios físicos regulares e moderadamente (opte por natação ou caminhada), ficar pouco tempo em pé, não usar roupas e sapatos apertados e, quando sentada ou deitada, manter os pés em uma posição mais alta que o resto do corpo.

A insônia, que também vai se tornar um problema depois de 8 meses de gravidez, precisa ser combatida com uma boa rotina de sono. Por isso, evite dormir durante o dia para não ter acúmulo de energia durante a noite.

Como encontrar uma posição confortável se tornou uma difícil missão, você pode tomar algumas coisas naturais para induzir o sono ou relaxar os músculos. Exemplo disso é o chá de camomila que tem propriedades calmantes e que deve te ajudar a adormecer.

Já com a falta de ar, a solução para acabar com ela é parar o que está fazendo assim que os primeiros sinais aparecerem. Depois disso, sente-se, fique relaxada e se concentre em sua respiração, realizando esse processo profunda e lentamente.

Evite também situações que possam gerar estresse e fazer esforço físico desnecessário.

Repouso é importante ao se atingir o oitavo mês de gravidez.

Outras dicas importantes

Se você ainda não terminou o seu plano de parto, agora é o momento ideal para isso. Lembre-se que o bebê já está quase pronto para nascer e pode ser que não espere até o nono mês para vir ao mundo.

Por isso, já prepare a bolsa com as coisas que você levará para a maternidade e a deixe em um lugar de fácil acesso, como ao lado da porta de casa, por exemplo. Coloque roupas e os itens necessários para você, o bebê e seu companheiro. Não se esqueça também de pensar no que o recém-nascido usará no caminho do hospital para casa.

Por falar no hospital, planeje como será o caminho até ele quando a bolsa estourar. Pegue o carro e vá até ele, projetando a rota que será feita no grande dia.

Estude também se há outros caminhos que podem ser percorridos em caso de congestionamento, acidente ou interdição por obras. Se for possível, conheça a ala da maternidade do hospital e procure saber para onde você deve se dirigir quando chegar ao local para iniciar o trabalho de parto.

Como o estourar da bolsa gera muita ansiedade para você e seu parceiro, já deixe anotado o endereço do hospital e o nome e número de telefone de pessoas que vão ajudar vocês durante este momento. É a melhor maneira de evitar o esquecimento e ter que correr atrás desses detalhes na pior hora possível.

E, claro, preste atenção à sua saúde. Isso deve acontecer desde o primeiro dia após descobrir a gravidez, mas deve se intensificar depois de 8 meses de gestação. Alimente-se bem e somente com alimentos saudáveis, mantenha bons hábitos diários e faça exercícios de respiração para te ajudar no trabalho de parto.

Nunca se esqueça de seguir à risca todas as orientações do médico. Mulheres e bebês são diferentes e somente ele está capacitado a diagnosticar corretamente o seu caso e a recomendar as melhores soluções para o seu tipo de gestação.

Leave A Reply

Your email address will not be published.