A Mulher

Sejam bem-vindos ao encantado, confuso, maravilhoso, árduo e sublime universo feminino!!!! Logo de cara avisamos: nem tentem entender. Quem é mulher sabe bem que não há tempo para procurar uma lógica que explique o turbilhão de sentimentos opostos que invade (com maior ou menor intensidade, dependendo do dia do mês!!!), a vida de cada uma de nós. São tantas dúvidas, conflitos, desejos, medos, tantas metas a alcançar… Desde menina, a mulher é induzida a se superar, a mostrar que é tão ou mais capaz que o homem, que pode ser forte, sábia, esperta, zelosa, ao mesmo tempo que enfrenta a fria ditadura da beleza, antes mesmo de se conhecer ou se gostar. Desde cedo aprendemos a seguir pela vida, como boas equilibristas, tentando dosar eficiência, sabedoria, maternidade, sensibilidade e o desejo de ser bela.

Qual mulher nunca acordou atrasada, jogou uma água no rosto, e saiu apressada com a primeira combinação de jeans e camiseta que encontrou pela frente? E, no dia seguinte, passou horas em frente ao espelho, tirou todas as roupas do armário, para encontrar a peça perfeita, armadura ideal que a protegesse de todo o mal, de todos os complexos e inseguranças… Quem também não se sentiu uma princesa, por causa de um novo regime, uma roupa nova, um elogio, um olhar… Que atire a primeira pedra aquela que, depois, não fugiu do espelho, teve medo da balança, vontade de ficar sozinha. E quando tudo parecia ruim e triste, deu a volta por cima, superou coisas que pareciam pouco prováveis, atingiu o inatingível. E no final, ainda foi capaz de levantar alguém que chorava por perto…

 

A gente acredita que a vida de toda mulher é assim: feita de beleza, desafios, conquistas, mas também de medos e fraquezas. Se soubermos, no entanto, superar os conflitos, podemos ir sempre além. Uma mulher com boa auto estima é capaz de realizar coisas incríveis. Apesar das dificuldades, não precisamos deixar a vaidade de lado, podemos sempre explorar o que há de melhor em cada uma de nós. A ciência, a moda, a tecnologia estão aí também para serem nossas aliadas. Se a representante feminina dos tempos antigos tinha que ser frágil, submissa, a revolução sexual nos deu a possibilidade de mostrarmos que podemos ser donas dos nossos sonhos e, se eles nos pertencem, temos tudo para conquistá-los. Nosso desejo é fazer deste espaço um lugar onde possamos compartilhar dicas para que nosso dia-a-dia seja vivido com muito mais graça e menos drama… se a TPM permitir!!!… :)

 

“Eu só conheço mulher louca. Pense em qualquer uma que você conhece e me diga se ela não tem ao menos três dessas qualificações: exagerada, dramática, verborrágica, maníaca, fantasiosa, apaixonada, delirante. Pois então. Também é louca. E fascina a todos. Nossa insanidade tem nome: chama-se Vontade de Viver até a Última Gota. Só as cansadas é que se recusam a levantar da cadeira para ver quem está chamando lá fora. E santa, fica combinado, não existe. Uma mulher que só reze, que tenha desistido dos prazeres da inquietude, que não deseje mais nada? Você vai concordar comigo: só se for louca de pedra.” (Martha Medeiros)