19 abr - 2013

Criado por | 2.651 Comentários

O porquê de considerarmos a atitude de Gerlad Thomas uma agressão a todas as mulheres

O porquê de considerarmos a atitude de Gerlad Thomas uma agressão a todas as mulheres

Na última segunda-feira foi para o ar a gravação do programa Pânico na Band em que o diretor de teatro Gerald Thomas coloca a mão por baixo do vestido da apresentadora Nicole Bahls e tenta levantá-lo à força. O sujeito comentou em seu próprio blog “Meti a mão na menina” e tenta justificar a atitude deplorável com o velho e preconceituoso argumento “Só levantei a saia de alguém que estava usando trajes ousadamente ‘putos’, sentando no meu colo e …nada mais. Mas ISSO TAMBÉM é teatro.” Como se o fato de alguém usar vestido curto desse direito a outra pessoa de violá-la sexualmente. Como se abusar sexualmente de alguém pudesse ser uma ação justificada pela arte.

É deprimente perceber que ainda hoje existem pessoas que pensam e gostam de difundir em tv, redes sociais,  blogs e afins a ideia de que uma mulher de mini saia está disponível e dá o direito a qualquer um de colocar a mão por entre suas pernas sem seu consentimento. Vale lembrar que muitos estupradores defendem seus atos abomináveis dizendo que a mulher violada “estava pedindo” por aquilo. As duas justificativas seguem a mesma lógica (ou falta dela) de que, a partir do momento que o homem acha que uma mulher está insinuante demais, ele tem o direito de fazer com ela o que bem entender.

O vídeo editado pelo Pânico é intercalado por trechos de depoimento de um psicólogo que tenta defender o programa de forma bastante rasa, sem argumentos, e por entrevistas com homens na rua que afirmam que a mulher é “irrestistível mesmo” e que, se fossem eles, também agarrariam a moça e “meteriam a mão” nela. Durante toda a “matéria” e, após ela, Nicole Bahls é tratada de forma humilhante, como mulher objeto. Ela é apresentada como repórter iniciante, mas não fala quase nada. Seu sotaque é esculachado por Gerald Thomas, que não cansa de dizer que a moça não sabe falar e que deveria voltar para o Paraná. No final, ainda diz, como “conselho” para que Nicole continue bem no programa, para que ela “Chupe bem um p***. Três vezes ao dia e faça gargarejo depois”.

Após exibir a cena, o apresentador Emílio Zurita tentou defender o programa dizendo que tudo não passou de uma brincadeira, mas a própria Nicole se mostrou desconfortável com a situação e chegou a declarar em seu twitter, no dia seguinte ao episódio “Fiquei muito triste com isso” e “Obrigada de coração pelo carinho. Amanhã é outro dia. Vai passar”. Em entrevista ao blog Off,  nesta semana, Nicole ainda desabafou “No dia do ocorrido, eu liguei para a minha mãe e ela me disse para não me preocupar com o Gerald porque ele é uma pessoa polêmica, para lembrar que eu estava no ‘Pânico’ é que é um programa de humor. Me acalmei mas não achei certo. Colocar a mão em mim é fácil. Queria ver se ele faria isso com a Giulia Gam”.

O fato de Nicole ter, aparentemente, aceitado a situação, dizendo que não se ofendeu porque Gerald Thomas é homossexual, não redime em nada a culpa dos envolvidos no caso. Ficou muito claro que trata-se de uma situação de submissão em uma relação de poderes. Ela preferiu dizer que não se sentiu violada para não colocar em risco seu emprego. Isso se tornou evidente quando o programa estava para terminar e Nicole tentou interromper o apresentador Emilio Zurita, dizendo “Ô Emilio, ô Emilio, mas eu não dou apoio pra ninguém porque ele estava no contexto da matéria, mas se fosse na rua, eu ia processar, ia fazer o barraco todo”, ao que Emilio, visivelmente nervoso, respondeu ” Eu sei, Nicole, o que eu tô falando pra você é o seguinte (…) Isso aqui é um programa de humor, e ele tem que estar no plano do humor, pelo amor de Deus”.

O apresentador também atacou a imprensa que criticou o programa, chamando-a de sensacionalista e careta. Nós entendemos por caretice julgar o tamanho da saia de alguém e por sensacionalismo usar um abuso sexual para alavancar a audiência de um programa de televisão. Não se justifica o injustificável. O triste é que o programa atingiu seu objetivo, que era de atrair a atenção das pessoas a qualquer custo. E mais triste é perceber quanta gente ainda acredita que há justificativa para atos de abuso contra a mulher. Pior, mais triste ainda é saber que existem milhões de mulheres aceitando quietas esse tipo de abuso, por pouco ou por nada… =(

Links sobre o assunto:

Carta Capital

Uol Entretenimento

Machismo Chato de Cada Dia

Escreva Lola Escreva

Blog Off

Deixe um Comentário